Volto ao começo do mundo, onde a vida ainda gesta, onde o escuro permeia todos os instantes do dia,
para poder te ver antes de existires dentro dos meus olhos, para poder te saber antes que eu só saiba de mim
depois da tua chegada, antes de me dares um nome, um corpo nascido das tuas mãos, antes que eu viva impregnada
 disso tudo de nós. Volto, volto ao que não era, ao que foi porvir, e reivindico ao tempo eu feita de mim mesma.
Tomo-me louca e santa, cega e oca, tomo-me de volta, ressuscitada e re-nata para ser uma de mim que não te conhece,
 uma de mim onde teus pés não pisaram, uma de mim que não conheceu tua língua molusca de prata, que não sabe da cor
 dos teus cílios cheios de noite, da dor da tua casa incendiada, do teu peito emborcado, da solidão que anda por tua
 pele. Volto e me elejo nova, outra, livre de tudo que é teu, para finalmente deitar-me de novo a teu lado, alva e
leve, e esperar que me invadas todas as frestas.

(ticcia)



Escrito por Isabel às 13h42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Eu tenho um lugar...
Só meu...
Onde habitam tu...e eu...
Lugar tranquilo...sem vento...
Sem angústia...sem lamento...
Chama-se...pensamento...
É onde estou neste momento...

Poeta Primavera

 



Escrito por Isabel às 14h11
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 

Toda a manhã
fui a flor
impaciente
por abrir.

Toda a manhã
fui ardor
do sol
no teu telhado.

Toda a manhã
fui ave
inquieta
no teu jardim.

Toda a manhã
fui ave ou sol ou flor
secretamente
ao pé de ti.


Eugénio de Andrade

Para o amor, um banco de praça já basta.
Ou ficar na frente de um portão.
Ou uma xícara de café.
Amor mesmo é um filme de baixo orçamento.

Fabrício Carpinejar

Meu Arquivo




Minhas visitas


Usuários online usuários online



eXTReMe Tracker




Contador de Visitas

<BGSOUND SRC="http://www.terraemarmusicas.com.br/sound/marisa_monte_-_depois.mid" LOOP=TRUE">


o que toca...

Depois

Marisa Monte

 

Imagens e Templates

LaLi

Outros sites

 Nosso Sonho - Midis
 Tinta Sangue


Ai as almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.’

Florbela Espanca

“O poeta é como o príncipe das nuvens. As suas asas de gigante não o deixam caminhar’

Charles Baudelaire

“O poema não é feito dessas letras que eu espeto como pregos, mas do branco que fica no papel’

Paul Claudel

“À pergunta habitual: ‘Por que é que escreve?’. A resposta do poeta será sempre a mais curta: ‘Para viver melhor’”

Saint-Jonh Perse

“O poeta faz-se vendo através de um longo, imenso e sensato desregramento de todos os sentidos”

Arthur Rimbaud

“A poesia não voltará a ritmar a acção; ela passará a antecipar-se-lhe”

Arthur Rimbaud

“A solidão da poesia e do sonho tira-nos da nossa desoladora solidão”

Albert Béguin

“Deus, que nos fizeste mortais, porque é que nos deste a sede de eternidade de que é feito o poeta?”

Luis Cernuda

“Todas as coisas têm o seu mistério, e a poesia é o mistério de todas as coisas”

Federico Lorca

“E nunca o tormento acha um céu e nunca o desejo acha uma terra. É por isso que a poesia existe”

Birger Sjoberg

“A poesia não é nem pode ser lógica. A raiz da poesia assenta precisamente no absurdo”

José Hidalgo

“Fazer poesia é confessar-se”

Friedrich Klopstock

“Um poema é um mistério cuja chave deve ser procurada pelo leitor”

Stéphane Mallarmé

“A poesia é ao mesmo tempo um esconderijo e um altifalante”

Nadine Gordimer

“A poesia numa obra é o que faz aparecer o invisível”

Nathalie Sarraute

“Para mim, o importante em poesia é a qualidade da eternidade que um poema poderá deixar em quem o lê sem a ideia de tempo”

Juan Ramón Jiménez

“A poesia é o transbordamento espontâneo de sentimentos intensos: tem a sua origem na emoção recordada num estado de tranquilidade”

William Wordsworth

“A poesia é um nexo entre dois mistérios: o do poeta e o do leitor”

Dámaso Alonso

Eis que temos aqui a Poesia,
a grande Poesia.
Que não oferece signos
nem linguagem específica, não respeita
sequer os limites do idioma. Ela flui, como um rio.
como o sangue nas artérias,
tão espontânea que nem se sabe como foi escrita.
E ao mesmo tempo tão elaborada -
feito uma flor na sua perfeição minuciosa,
um cristal que se arranca da terra
já dentro da geometria impecável
da sua lapidação.’

Rachel de Queiroz